Como a tecnologia pode contribuir no desenvolvimento de soft skills?
BLOG
Recursos Humanos

Como a tecnologia pode contribuir no desenvolvimento de soft skills?

15 de abril de 2020

O desenvolvimento de soft skills, ou competências comportamentais, está nas pautas de discussão dos profissionais de Recursos Humanos, afinal, elas indicam como o profissional lida com problemas e interage com os demais.

Prova disso saiu na
pesquisa Global Talent Trends 2019, feita pelo LinkedIn com milhares de profissionais de Recursos Humanos que destacam as tendências que impactam a área.

Ela mostrou que 92% dos entrevistados consideram as competências comportamentais mais importantes que as hard skills, ou conhecimentos técnicos, pois estas podem ser aprimoradas a partir das soft skills corretas.

Mas como ocorre o desenvolvimento de soft skills? E de que maneira elas são identificadas nos profissionais? A tecnologia é uma grande aliada de quem atua com RH e este artigo mostrará de que modo ela contribui. Acompanhe!

A importância do desenvolvimento de soft skills

A empresa que possui excelentes profissionais, mas que são extremamente técnicos, corre o risco de não se manter em posição favorável no mercado atual.

Por mais que as competências técnicas sejam importantíssimas, são as soft skills que possibilitam a fluidez no dia a dia do trabalho, além de ideias disruptivas e, em muitos casos, mais econômicas para as empresas.

Dentre as habilidades não técnicas, destacamos a colaboração, a empatia, a comunicação, a liderança e a inteligência emocional. São elas que contribuem para a motivação individual e da equipe.

Quando há o desenvolvimento de soft skills, torna-se mais fácil a execução das tarefas no trabalho. Além disso, a identificação das competências comportamentais facilita bastante a definição e distribuição de papéis dentro da organização.

Imagine uma equipe de vendas que se encontra sem um líder. A companhia pode promover um dos profissionais para este cargo de liderança ou trazer um profissional de fora. Em ambos os casos, as soft skills são essenciais.

Se o profissional promovido não tiver competências comportamentais como saber se comunicar, delegar tarefas, tomar decisões, administrar conflitos e dar feedbacks, ele não terá o comando da equipe.

O mesmo ocorre com o profissional que pode vir de fora. Por mais técnico que seja, ele também precisa de competências que o permitam dialogar com todos e o coloquem como referência para equipe.

Por esse motivo, a pesquisa Global Talent Trends 2019 mostra ainda que 89% dos profissionais ouvidos consideram que as contratações ruins estão relacionadas com candidatos que não têm ou não querem desenvolver as soft skills requeridas.

A boa notícia é que o RH pode contar com uma grande aliada na hora de desenvolver as soft skills desejadas: a tecnologia.

A tecnologia a favor do desenvolvimento de soft skills

Peter Drucker, escritor, professor e consultor administrativo austríaco, possui uma frase conhecida que mostra a importância dessas competências: “As pessoas são contratadas por suas habilidades técnicas, mas demitidas pelos comportamentos”.

A busca por profissionais qualificados nem sempre é feita do modo correto. Ao invés de buscarem o equilíbrio entre as soft e hard skills, alguns gestores permanecem presos a um passado não muito distante no qual somente as habilidades técnicas eram valorizadas.

No entanto, os avanços tecnológicos têm contribuído bastante para a identificação, gestão e desenvolvimento de soft skills, principalmente no que diz respeito ao recrutamento de novos colaboradores.

Isso é muito positivo, pois a tecnologia faz a integração dos processos de identificação e análise das competências comportamentais, agilizando o trabalho dos profissionais de Recursos Humanos.

Um bom exemplo é o uso de gamificação no ciclo de atração e seleção de talentos, a técnica que utiliza jogos interativos que reproduz o ambiente corporativo e ajuda a avaliar como o candidato se comporta sob pressão.

A gamificação também pode ser utilizada no cotidiano das organizações e ações de RH. Treinamentos com essa técnica, por exemplo, são capazes de identificar se os trabalhadores colaboram com os colegas ou se apresentam soluções criativas.

Você encontra no mercado diversas soluções com recursos que permitem coletar, analisar, mapear e interpretar dados sobre as competências comportamentais. Isso é válido tanto para conhecer as existentes quanto identificar as que faltam.

Esse tipo de mapeamento de soft skills é fundamental para o planejamento estratégico da empresa, pois aponta o que é necessário para que a organização alcance os seus objetivos.

A tecnologia dá suporte ainda para outras estratégias, como a do mapeamento de cargos. Desse modo, garante uma precisão na escolha dos membros de cada equipe, além de fornecer indicadores para que os gestores tomem decisões.

Esses mesmos indicadores são importantes para a equipe de Recursos Humanos, que podem desenvolver feedbacks contínuos, além de planos de desenvolvimento de soft skills.

Soluções de People Analytics, por exemplo, analisam o comportamento dos funcionários por meio de dados, auxiliando o RH na tomada de decisões em relação à força de trabalho.

Softwares assim coletam e armazenam os dados de maneira organizada, separando o que é relevante e cruzando-os com informações do negócio para alcançar os objetivos organizacionais

E não podemos esquecer a gestão dessas habilidades!

A tecnologia contribui para que o RH trate esse assunto de modo objetivo e, principalmente, direcionado. Gestores têm rápido acesso às informações e conseguem agir de maneira simples e veloz.

Veja outros benefícios:

  • Maior controle da empresa por seus gestores, pois os dados provenientes das ferramentas tecnológicas dizem o que funciona ou não;
  • Contribui para um posicionamento cada vez mais estratégico do RH, permitindo que a empresa se posicione melhor no mercado;
  • Transforma ações em números, pois tendências negativas, como um alto índice de abstinência, podem ser revertidas mais rapidamente;
  • Reduz custos com contratações e demissões constantes, pois evita que a frase de Peter Drucker se seja uma realidade na organização.

O mercado de trabalho está cada vez mais competitivo e o desenvolvimento de soft skills se revela como tão importante quanto uma extensa lista de cursos e experiências.

O bem-estar físico e mental dos trabalhadores contribui para resultados positivos, como o cumprimento das metas exigidas e desejadas pela empresa. E se há esse prazer, que é causado pela existência das soft skills, a consequência positiva se torna natural.

Você pode conferir outro material do nosso blog sobre como transformar dados em resultados, alcançando os melhores indicadores. Veja como a sua empresa pode se organizar para essa realidade!



 
Compartilhar

Você também pode gostar:





VER TODOS OS POSTS